quinta-feira, maio 15, 2014

SINCROV (Sistema Nacional de Controlo de Velocidade)

O Ministério da Administração Interna, no âmbito do Plano Nacional de Segurança Rodoviária, anunciou, a expansão da SINCROV (Sistema Nacional de Controlo de Velocidade) com a instalação de 350 radares fixos "Cordon" pelos mais de 3.000 quilómetros de autoestradas portuguesas.

O SINCROV é um Sistema Telemático (infra-estrutura física e tecnológica), que suporta, no âmbito nacional, o serviço de fiscalização automática de velocidade de veículos rodoviários.
Este sistema será implementado pela instalação de radares Cordon Multi Target Photo Radar System, uma nova geração de radares fixos, capazes de detectar vários automóveis em simultâneo, algo que os actuais radares fixos não conseguem.
Este novo radar é extremamente compacto e pode ser montado em qualquer local, o que o torna muito difícil de detectar.
Com um ângulo de visão alargado, uma capacidade de processamento até 32 matrículas em simultâneo, para além de registar a velocidade a que o veículo viaja, o Cordon assume-se como o verdadeiro terror dos «aceleras».
Além de tudo isto, o Cordon consegue também registar infracções cometidas por táxis e autocarros privados em virtude de um avançado sistema de reconhecimento de matrículas.
Mesmo de noite, o Cordon funciona tão bem como de dia, pois está equipado com um sistema de infravermelhos, enquanto um receptor de GPS incorporado grava as coordenadas do local onde a infracção foi cometida e toda a informação é guardada com software de protecção de dados.
Todas as infracções cometidas são enviadas, em tempo real, via «Stream», para uma central, permitindo o processamento das multas em segundos, chegando ao infractor em tempo recorde.
A Estratégia Nacional de Segurança Rodoviária 2009/2015 inclui um conjunto de 92 medidas, uma das quais a colocação dos radares de controlo de velocidade nos locais de elevada sinistralidade e onde as infrações por excesso de velocidade são mais frequentes e dão origem a um risco acrescido de acidentes de viação.

Reacções:

0 comentários: